Faz agora 38 anos que um grupo de jovens foi a Lisboa dizer ao papäo que já näo governava.
Mas neste momento Portugal está a voltar aos tristes tempos da Ditadura. É a austeridade caritativa ao mesmo tempo que se querem destruir serviços públicos de maior qualidade que qualquer privado (exempo claro o da Maternidade Alfredo da Costa), é o desemprego galopante e apelos governativos aos novos para abandonarem o barco, säo os velho a morrer de doença e fome, 5.000 a mais por semana desde Janeiro. E pouco se vê disto na comunicaçäo social finlandesa, täo interessada que estava nos assuntos portugueses por alturas eleitorais.

É vender empresas públicas estratégicas a preços bem abaixo de mercado a empresas públicas… chinesas, é o caso dos submarinos e da Portucale (até um tal de Jacinto Leite Capelo Rego doou uns quantos milhöes ao CDS/PP.) provado como crime mas com os arguidos todos sem excepçäo a serem absolvidos. Entretanto na Alemanha o corruptor da Ferrostaal foi julgado e preso, e a quem ele vendeu (o actual Min. Negócios Estrangeiros) está em parte ausente.

E depois, nas ruas, a polícia mete agentes infiltrados (ilegais segundo a CRP) a provocar incidentes, para justificar a violência, e a mais recente do Intendente da PSP Magina da Silva que armado em Pina Manique declarou guerra aos mesmos portugueses que jurou defender. A situaçäo está crítica, porque se vê claramente que o pessoal chegou ao ponto de ruptura, as Primaveras Árabes ainda estäo frescas, e os poderes governativos se näo passarem a ser mais responsáveis fugiräo pelos telhados dos ministérios de helicóptero. E a Magina da Silva passará o que se passou com os PIDES em 1974 ou com a polícia tunisina e egípcia o ano passado.

Veremos o que dá este dia, esperemos que pelo menos deixem fazer deste dia um grande festa nacional. O povo que mostre que podem tentar tirar-lhe a liberdade, mas que ele a defenderá de escroques revanchistas salazarentos!
25 de Abril SEMPRE!