O realizador de “O Homem Sem Passado” (The Man Without a Past – 2002) celebra esta semana o seu quinquagsimo aniversrio. Que tipo de relao une os irmos Kaurismki ao mundo lusfono? Por outro lado, quem no conhece em Helsnquia o ambiente mgico do Corona e o glamour decadente do seu “mano” Moskva, referncias incontornveis da bomia artstica e literria da cidade? E o que pensam os portugueses a viver na Finlndia dos filmes kaurismakianos (tanto os de Aki como os de Mika…). Qual o vosso favorito? …Por que razo?

Aki produz vinho do Porto, Mika estabeleceu-se no Brasil para criar um conjunto de documentrios e fico tendo como pano de fundo temticas locais, especialmente a msica e os ritmos brasileiros. Aki introduziu-se no cinema como ajudante do irmo mais velho, que realizou, entre outros, “Estrela de Papel” (Paper Star – 1989),”Helsnquia-Npoles Toda a Noite” (Helsinki-Napoli All Night Long – 1987) e Brasileirinho (2005).

Aki Kaurismki

Os protagonistas dos seus filmes podem trabalhar num restaurante, ser sem-abrigo deserdados e amnsicos ou lutar para se tornar estrelas de rock. O realizador presta particular ateno ao retrato das classes operrias e desfavorecidas, e agradam-lhe especialmente os cenrios anos-80, mesmo nos filmes mais recentes. A direco de actores simplssima, o humor que subjaz ausncia de sorrisos irrecusvel.

O mais novo dos Kaurismki considerado por muitos como o melhor realizador finlands vivo, embora o prprio se defina como um pssimo realizador que, no obstante, se recusa a filmar merda, o que o faz entrar em coliso frontal com o plstico Hollywoodesco importado.

Uma caracterstica louvvel em Aki Kaurismki a sua frontalidade e a forma como tem utilizado a visibilidade meditica de que agora dispe para transmitir importantes mensagens de carcter poltico, como sucedeu com o seu boicote, por duas vezes, s nomeaes para os scares da Academia (em protesto contra a interveno americana no Iraque) e a solidariedade que demonstrou para com Abbas Kiarostami, a quem as autoridades norte-americanas decidiram recusar um visto para o Festival de Cinema de Nova Iorque.

Os interessados podem ler mais sobre o aniversrio desta semana neste meu artigo aqui:
http://www.ovimagazine.com/art/1521

Para uma boa crtica em portugus de Luzes na Escurido (2006), o ltimo da Trilogia Helsinki de Aki Kaurismki, vejam aqui:
http://www.zetafilmes.com.br/criticas/luzesnaescuridao.asp?pag=luzesnaescuridao

[Editado de uma discuss�o na lista sobre como � a Finl�ndia]

Gostava de dar tamb�m o meu contributo sobre “como � a Finl�ndia”. � talvez uma preten��o minha j� que n�o vivo, nem nunca vivi na Finl�ndia, vivo em Portugal e s� neste Ver�o visitei o pa�s pela segunda vez (a primeira vez foi em Fevereiro, mas j� l� v�o 6 anos… e apenas recordo os dias curtos e escuros, a neve, a neve e a neve…).
Por isso, vou s� partilhar um pouco desta minha recente experi�ncia como tur�sta. N�o sei se concordam comigo, mas talvez o facto de n�o residir a� poder� tornar o meu ponto de vista mais “tuga” do que qualquer outro, j� que se me permitem dizer “ainda estou virgem de qualquer contamina��o suomi”.

Bom, estive na Finl�ndia no m�s de Julho (17 dias), e foi como se tivesse �do pela primeira vez. Quem v� a Finl�ndia no Inverno e depois no Ver�o tem a sensa��o que esteve em pa�ses diferentes!
Continue reading

De acordo com as estat�sticas oficiais em 2005 estavam registados como residentes permanentes 201 portugueses na Finl�ndia. Na realidade, o n�mero de portugueses que por c� est�o � mais elevado, dado que n�o est�o inclu�dos no relat�rio os que est�o a prazo (estudantes, contratados a termo certo, etc.), os que n�o se registaram, nem os que tamb�m gozam da nacionalidade finlandesa (adquirida por aplica��o, ou de sangue).
S�o ent�o quantos os portugueses a viver na Finl�ndia? N�o fa�o ideia mas n�o me surpreenderia se o seu n�mero estivesse pr�ximo do meio milhar. Continue reading

A VIDA NA FINLNDIA, TAL COMO ELA
(RE: o melhor post de sempre/ Uma resposta ao pedido de partilha de experincias a uma portuguesa prestas a emigrar para o pas, publicada na lista de e-mail.)

Ol (nome)………… so muitos os pontos que tm a ver com as decises que as pessoas tomam e suas opinies so reflexo de adaptaces de vivncias como etapas que se ultrapassam no percurso de vida.
Sou Vitor Marreiros, 46, com 17 de Finlndia.

Em primeiro se j tomou a deciso de vir viver para esta latitude de certeza que tem contactos e objectivos. Se no, s se for estudante j que pretende ir para Jyvaskyla, que cidade universitria.

De qualquer maneira a primeira surpresa ser se vier ainda na altura de inverno e se estiver um daqueles dias complicados em que neva e faz um vento frio, ento ir dizer que raio, onde que me vim meter.Em contrapartida se estiver sol e deslumbrar a paisagem, ir adorar. Aqui como em todo o lado existem as boas e as ms alturas. O Inverno frio e muito longo e a Primavera tarda sempre em chegar mas quando a mudanca se concretiza por volta de Maio at se tem a impresso de ver crescer as folhas das arvores. O vero bonito, quente, os dias so grandes, sendo a exposicao solar quase o dia todo e nos primeiros dias dificil de dormir devida luz que penetra pela casa logo s 4, 5 da manh.

O vero e de aproveitar pois h muitas alternativas culturais, desportivas ou simplesmente desfrutar da natureza , lagos e praias, floresta e seus frutos silvestres etc. No fim do vero muito bonito a altura de fase de mudanca para o outono com a coloraco da folhagem das arvores , pela sua calma e sua luz ideal para passatempo de fotografia da natureza. Depois comecam os dias mais escuros e cada vez mais frios , que permite uma boa adaptacao ao frio o que no quer dizer que quando aparece -5 -10 ou at mais seja facil de suportar, mas contudo o efeito vacina resulta com o frio quando se experimenta -10 se no outro dia estiver – 5 j se diz que est bom ou no est frio.

No meio do longo Inverno aparece o Natal que faz com que as pessoas se sintam motivadas pois existem dois grandes fluxos de actividade no periodo at ao natal e depois no vero at ao juhanus /mid- summer fixando-se metas at essas alturas . Por outras palavras at ao juhanus trabalha-se a todo o vapor depois no resto do vero at bastante suave e rotineiro e sem stresses. Eu gosto de trabalhar no vero, suportavel em termos de calor e como os dias so longos ainda restam muitas horas que se podem desfrutar ao ar livre, no como o oposto de outras alturas em que se pretende regressar a casa e estar. Aqui ninguem tem medo da chuva e do frio e se reparar as pessoas de qualquer maneira saem e diverte-se sem grandes barreiras em relaco ao tempo. Fazem muito desporto, piscinas e cursos extras nocturnos. uma vida diferente o que se torna interessante nos primeiros anos e se tem a nocao de viver rodeado de varios grupos de amigos.

A vida torna-se ocupada e basicamente esta terra de trabalho o que nos consome parte do tempo necessario para a subrevivencia. Porque um portugues partida age pensa e vive diferente mas tem que se integrar e fazer parte do grupo ou seja da sociedade. A lingua o primeio entrave embora seja enganador pensar que se desenrasca falando ingles o que resulta mas deve-se aprender a lingua o mais rapidamente possivel para se poder mellhor arranjar emprego e quanto melhor se perceber o que diz volta melhor se compreende a mentalidade e modos de vida locais.

A Finlndia interessante e tem-se a impresso de estar a aprender sempre algo de novo, talvez do nivel civilizacional dum pais que tem pouca histria como independente, mas que ao mesmo tempo se libertou sem preconceitos enraizados modernizando-se construindo um pas que parecendo pacato e pequeno em populaco tambm muito sofesticado , inovador , competitivo e com uma economia controlada capaz de inovar e criar ainda mais riqueza. Por falar em riqueza, o problema que aqui ningum enriquece com o trabalho o que no o mesmo que era para os emigrantes de outras geracoes que ao menos ainda conseguiram construir casas. Aqui o salario compativel com o standard do pas mas no mais do que isso. No h grandes crises sociais mas tambm vive-se sem sobresaltos e sem medos. Aqui h de tudo acessivel e muitas lojas, sociedade de consumo eu at diria superconsumo. A comida de restaurantes fraca pizzas , kebabs e mcdonalds, mas se pagar e tambm descobrir existem muitos bons sitios. No h petiscos. Bebem s cerveja.

Em relacao aos portugueses somos poucos 200 talvez, ou seja o que se houve falar, mas contudo dispersos e cada um com sua vida . Existem encontros, festas do dia de Portugal ou associaces, espectculos de musica portuguesa , futebol, so alguns motivos que em certas datas as pessoas se encontram.Cada um ter qualquer coisa a dizer sobre a sua area de accao. Eu trabalho como funcionario de manutencao , logistica e decoracao numa firma de recolha e processamento de roupa. Na minha zona existe mais um portugues de Setubal. Eu sou de Portimao.

Em relacao h cultura finlandesa ser um puzzle de descobertas para que se interessar por vir viver para este pais mas posso adiantar, como por exemplo, cinema – mika kaurismaki , arquitectura, alvar aalto, musica, sibelius classico e uma grande escolha de pop como him, rasmmus, uppu normali, nightwish. A tv mostra cultura, abordam-se muitos temas por exemplo de construcao, de ginastica, de tv police etc, no sei o que dizer mais, passo a bola a outro.
Queria dizer que foi um bom exercicio escrever um pouco e tentei relatar o que me passou pelos pensamentos.

Cumprimentos e boa continuacao, como se diz por aqui.

Vitor Marreiros