Ze povinhoVocê não compreende que eu sou embaixadora e já o meu pai era embaixador?

Não se tratava de nenhum representante de uma cleptocracia africana ou de um país do terceiro mundo, mas sim da representante de Portugal neste país e nos bálticos. Segundo conta o Iltalehti (em finlandês) Diplomata atrevida força a entrada num evento cheio em Helsínquia: «não percebe que eu sou embaixadora?» a senhora chegou a um evento que tinha como convidada Federica Mogherini, a alta represente da EU para a política de segurança. O evento estava previamente esgotado e havia até em fila de espera representantes de outras embaixadas.

Não percebe, que eu sou a embaixadora de Portugal? Você compreende que eu sou embaixadora e já o meu pai era embaixador?” terá dito a embaixadora Maria de Fátima Perestrello. Acrescentou ainda que o evento era precisamente para pessoas “como ela.” E marchou por ali adentro.

A jornalista do Iltalehti não se coibiu de espremer ao máximo a notícia, citando até a resposta que a embaixadora deu quando lhe pediu uma explicação: “Desculpe, mas porque é que eu deveria responder a esta questão?”

Um ivestigador concluiu: Portugueses muito tolerantes com a corrupção

Excertos do artigo de jornal:
“a corrupção estilo “Robin Hood” (que favorece os mais fracos) ainda tem uma grande aceitação na sociedade portuguesa. Facto que é sintomático “de uma cultura cívica ainda muito assente na satisfação de necessidades básicas”.

Ainda segundo os estudos que revelou aos deputados, a definição social de corrupção dos portugueses “é algo restrita” e “propícia a que estes escolham frequentemente fazer mais do que a Lei permite e menos do que a ética exige”.”

Mas desde quando é que a corrupção pode servir o bem comum?

Assim nunca saíremos da cepa torta…

Da próxima vez que um nativo deste belo país lhe vier martelar os ouvidos com o hino “Equality, in Finland women have equal rights” é favor agraciar o dito (normalmente “nativa”, uma jovem entusiasta mas também ingénua qb) com o relato de episódios como este:

The recent rape of a 16-year-old girl by a policeman has raised debate on how sex crimes are penalized in Finland. The policeman who got the girl drunk and raped her twice was handed a suspended sentence [dois anos de pena suspensa].

Quite astonishingly, the courts handed down a multi-year prison sentence last year for cigarette smuggling.

FONTE: YLE – Finland Home to Some of Europe’s Lightest Rape Sentences

Exemplos deste tipo de justiça abundam por cá e até os poderão encontrar aqui neste blog. Os crimes de sangue, coisa de homem que é homem e que por isso é capaz de perder as estribeiras, têm frequentemente sanção menos penalizadora que os crimes económicos.

A ministra da justiça já prometeu legislação para proteger as crianças mas não creio que isso vá mudar muito. Aposto que as e os activistas destas causas estão muito mais angustiados perante a possibilidade algumas mulheres puderem aceitar vender o seu corpo num contracto entre adultos livres, como forma de pagamento da renda. Deve de ser pelo rendimento não declarado…

Na Finlândia os membros das igrejas luteranas e ortodoxas pagam impostos mais elevados: entre 1 e 2 % do rendimento dos fiéis é retida pelo Vero para ser entregue directamente às organizações religiosas (taxation of residents).
Os impostos são uma das principais razões pelas quais o número de fiéis destas igrejas tem vindo a decrescer: a perspectiva de poupança de algumas centenas de euros é motivação suficiente para cortar a ligação à igreja.

Segundo o diário metro, ao novo bispo da igreja católica também gostaria de poder cobrar impostos directamente aos seus fiéis. Não apontou nenhuma razão moral ou de justiça, limitou-se a dizer que «se os outros têm, nós também queremos». Os meus impostos é que não hão-de ter.

Portugal tem no Douro Vinhateiro paisagem classificada como Património Mundial pela UNESCO. A Linha do Tua (que já foi até Brangança) seguia por essa paisagem ímpar, permitindo que os turistas a disfrutassem e, claro, trazendo riqueza para o País. A principal vantagem do comboio é que vai mesmo junto ao rio, e näo é necessário o condutor estar super-concentrado em manter o carro nos caminhos miseráveis daquelas fráguas. Toda a família pode gozar de uma das zonas mais bonitas do Mundo.

Linha do Tua
Aspecto da Linha do Tua

E o que faz o Governo?
Planeia uma barragem que vai submergir *pelo menos* 14 km dessa linha. Fantástico.
Ah pois… a Linha do Tua encontra-se encerrada por “motivos de segurança”, visto nela acontecerem volta e meia acidentes mortais, que se descobre célere causados por falta de manutençäo da linha. Em Portugal diz-se que as coisas só acontecem quando morre alguém. No caso da Linha do Tua, nem isso. Em Portugal deixam-se as coisas ao abandono, no caso dos comboios pöem-se horários estúpidos, e depois justificam o encerramento (ou entäo, claro, privatizar) com a falta de clientes. Mas isso é em tudo.
Nota: em 1942 ia-se de comboio em 2,5 horas da Régua a Bragança; quando fecharam a linha n’ “A Noite do Roubo” em 1992 o mesmo percurso fazia-se em… 5-horas-5!

Depois temos aquelas Reservas Agrícolas, que poderiam ser dinamizadas como com o Monte Selvagem (Coruche), mas o que se faz por lá? É Freeports e aeroportos, quando a Portela ainda vai servindo e näo há cheta para nada.

A Finländia tem… pois… a Lapónia. Vai para lá gente de todo o mundo. Quanto mais näo fosse, as inúmeras casas do Pai Natal têm mais movimento que todo o Norte de Portugal. Para lá disso, maneiras que… árvores e lagos. E por trás do sol posto decidem montar uma uma instäncia de 5 estrelas ou um Ideapark (onde até pensam erguer uma réplica do Titanic). Acaba por näo lá ir ninguém, mas pelo menos tentam valorizar o que (näo) têm.

É caso para dizer: dá Deus nozes (o Douro Vinhateiro) a quem näo tem dentes (os tugas).

Como se apenas uma hora bastasse para mitigar os efeitos do aquecimento global, muitas cidades e empresas se apressaram a juntar-se. Vejam no sítio de rede da WWF, até o Merdonalds se juntou!

Como säo muito ambientalistas, a cidade de Helsínquia e a empresa Nokia, sempre muito à frente nestas iniciativas, näo podiam ficar para trás.

Pois é… lá da minha janela vi bem isso… longe das objectivas dos fotógrafos e dos discursos vazios, a iluminaçäo do campo de jogos (vazio) da escola e os 10 edifícios da empresa de telecomunicaçöes (vazios) continuaram a esplendorosamente iluminar a fria noite helsinguinha.
A única luz que se apagou foi a da Nordea.
As da Torre Digia estäo por norma apagadas, seja que dia for.

Houve mais alguém a reparar…

É sintomático: a cidade de Helsínquia tem como “Presidente da Cämara” um estupor energúmeno indivíduo que diz que o seu carro de serviço (com um singelo motor de 4,2l) é de “baixas emissöes”…